{ Resenha } A ampulheta sem fim


Autor(a): R. M. Azevedo

Ano de lançamento: 2009

Número de páginas: 216

Gênero: Ficção cientifica / fantasia

Classificação: 4/5



Sinopse: Existe uma terra onda a fantasia e a realidade são apenas dois lados do mesmo cosmos, onde os segredos do tempo estão abertos a quem quiser decifrá-los. 
Sufocada pela mesmice de sua vida, Zara trabalha em uma grande cidade. Gerente de projetos em tempo integral, ela pouco tempo tem para qualquer coisa além do seu trabalho. Vê na ampulheta, objeto recorrente em seus sonhos, a chance de fugir dessa realidade, não importando as consequências. 
Apesar de mais jovem, não muito diferente de Zara, é seu primo Aron, cuja ansiedade parece correr mais rápido que o próprio tempo. Para Aron, dominar o tempo é a chave para o sucesso. 
Você pode culpá-los? O que você faria se tivesse o tempo em suas mãos? 

♦♦♦

Eu já havia dito antes que existe muita gente boa escrevendo, e esse livro é mais uma confirmação disso. O autor descreve as cenas com riqueza de detalhes, fazendo-me transportar para um outro universo, onde existiam reis, rainhas, seres mágicos e cavalos alados. E eu sempre amei livros assim. Outro ponto positivo e bem interessante é que o livro é uma narrativa em primeira pessoa, mas com dois personagens principais e a cada capítulo, o autor conta a história com uma visão diferente de cada personagem. 
O inicio da história é um pouco parado, e confesso que achei que não iria gostar do livro, mas me surpreendi com o desenvolvimento da trama, onde o autor vai prendendo o leitor aos poucos. 
A história começa contando a vida de Zara, uma gerente de projetos em uma empresa na cidade grande, e que está entediada com a mesmice da sua vida monótona e ao mesmo tempo corriqueira. Depois passa a contar a história de Aron, primo de Zara que não é muito diferente dela. Ambos tem um certo problema particular em relação ao tempo em suas vidas. Ambos gostariam de ter mais tempo para fazer o que era necessário durante seus dias.
Até esse ponto não havia acontecido nade de relevante para a história, exceto pelos sonhos estranhos que Zara tinha com uma estranha ampulheta, que aparentava estar sempre estática. Uma certa noite, quando ela havia marcado de sair com sua melhor amiga e colega de trabalho, Keira, algo estranho acontece. Zara vê a tal ampulheta dos seus sonhos na tela de seu computador. Por algum pensamento absurdo que passou por sua cabeça, ela tentou pegar a tal ampulheta, e por incrível que pareça, conseguiu colocar a mão dentro da tela do computador e pega-la.
Com isso, ela, Keira, Aron e seu melhor amigo, Lester, foram parar em um mundo com criaturas mágicas, palácios... E foi essa parte que não ficou muito clara para mim. Ainda fiquei com uma certa dúvida do por que o primo de Zara e seus outros dois amigos foram parar nesse mundo junto com ela, acho que essa parte merecia uma explicação mais detalhada, mas tudo bem. Isso não faz com que o livro seja ruim. Ele é sim um livro com uma história bem legal que vale a pena ser lida. Um fato nessa "migração" de um mundo para o outro, se é que posso chamar assim, que achei bem interessante foi que todos eles haviam regredido suas idades. Todos eles haviam voltado para a adolescência.
Nesse mundo eles encontram um ancião que lhes explica que a "ampulheta estática" foi roubada e por isso os dois lados da faixa do cosmos foi distorcida, fazendo com que a realidade humana e aquele mundo virassem uma única realidade. Ele conta, também, sobre a lenda de quatro crianças que irão recuperar a ampulheta, devolve-la ao seu devido lugar e livrar aquele mundo da tirania do rei e da rainha que queriam, simplesmente, ter a ampulheta só para eles e assim, ter o tempo em suas mãos. E eles: Zara, Aron, Keira e Lester eram essas quatro crianças.




Nenhum comentário:

Postar um comentário